B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
Doi: 10.20950/1678-2305.2017v43n4p631
RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA TILÁPIA-DO-NILO E VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS
APÓS DECOMPOSIÇÃO DE MACRÓFITAS UTILIZANDO HERBICIDA
Daniela Takahashi NOMURA
1
, Juliana Oliveira MENESES
2
, Fabiana PILARSKI
3
,
Flavio Ruas de MORAES
3,
Higo Andrade ABE
4
, Rodrigo Yudi FUJIMOTO
5
Nota Cientíca: Recebido em 22/06/2017; Aprovado em 11/09/2017
1
Trouw Nutrition, Rod. Armando Sales de Oliveira, 35600, Km 356, CEP: 14.750-000, Pitangueiras, SP, Brasil.
2
Universidade Tiradentes –UNIT, Avenida Murilo Dantas, 300, CEP: 49032-490, Farolândia, Aracaju, SE, Brasil.
3
Centro de Aquicultura da Unesp, Rod. Paulo Donato Castellane, s/n, Bairro Rural, CEP: 14.884-900, Jaboticabal, SP, Brasil
4
Universidade Federal do Pará, Rua Augusto Correia, CEP: 66075-110, Belém, PA, Brasil.
5
Embrapa Tabuleiros Costeiros, Av. Beira Mar, nº 3.250, Bairro Jardins, Caixa Postal 44, CEP: 49025-040, Aracaju, SE, Brasil. E-mail: rodrigo.
fujimoto@embrapa.br (autor correspondente)
PHYSIOLOGICAL RESPONSES OF NILE TILAPIA AND WATER PARAMETERS AFTER
DECOMPOSITION OF MACROPHYTE USING HERBICIDE
RESUMO
As macrótas são importantes na biocenose aquática, porém, em certas condições, sua população
aumenta, tornando-se um problema, como é o caso de Egeria densa. Para controle dessas plantas, o
CONAMA dispôs sobre critérios para autorização de uso de produtos químicos, porém estudos de
viabilidade e segurança de uso devem ser realizados. Assim, o presente estudo avaliou o efeito da
decomposição de Egeria densa morta pelo herbicida diquat sobre parâmetros limnológicos e respostas
siológicas da tilápia-do-nilo. Para tanto, 176 exemplares de tilápia foram distribuídos em 16 tanques e
submetidos a quatro tratamentos (tilápias sem macróta; tilápias com macróta; tilápias+macrótas
mortas por diquat; e tilápias+plantas mortas por congelamento). Os valores de pH, temperatura,
oxigênio dissolvido, alcalinidade e condutividade não variaram entre os tratamentos (p<0,01).
No entanto foi observado aumento dos valores de nitrogênio amoniacal e fósforo total e redução
do nitrito nos tratamentos com macróta morta pelo herbicida. Concentrações de clorola-a não
diferiram entre tratamentos, porém, o valor de feotina-a aumentou na água com plantas mortas por
congelamento. Após 21 dias de exposição ao herbicida, não se vericaram diferenças nos valores de
glicemia, cortisol, leucócitos, eritrócitos, hemoglobina, índices hepato e esplenossomático nos peixes,
concluindo-se assim que a exposição crônica a macrótas em decomposição mortas pelo diquat não
alterou o padrão siológico das tilápias.
Palavras-chave: estresse crônico; impacto ambiental; plantas aquáticas; Oreochromis niloticus.
ABSTRACT
Macrophytes are important for aquatic biocenosis, however under certain conditions it´s population
can raise becoming a problem in reservoirs such as the Egeria densa. To control these plants
CONAMA discuss for the use of chemicals, but feasibility and safety studies should be conducted
to allow the use for such purpose. Thus the present study evaluated the effects of decomposition
Egeria densa killed by the herbicide diquat on water quality variables and physiological responses
of Nile tilapia. Thus, 176 tilapia was distributed in 16 tanks and submitted to four treatments
(tilapia without macrophyte; tilapia and macrophyte; tilapia and macrophytes died by diquat and
macrophytes died by freezing). The values of pH, temperature, dissolved oxygen, alkalinity and
conductivity did not differ between treatments. However, it observed an increase in total ammonia
and phosphorus and reduction of nitrite concentrations in treatment with macrophyte killed by the
herbicide. Chlorophyll-a concentration did not differ between treatments, however, phaeophytin-a
increased in water submitted to plants died by freezing. After 21 days of experiment, no differences
were observed in blood glucose, cortisol, leukocytes, erythrocytes and hemoglobin. Thus, tilapia
does not alter their physiological patterns after chronic exposure to decomposing macrophytes
killed by diquat.
Key words: cronic stress; environmental impact; aquatic plants; Oreochromis niloticus.
NOMURA et al.
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
632
INTRODUÇÃO
As macrótas são componentes importantes da
biocenose aquática, pois, além de constituir fonte de
alimento e abrigo para a reprodução de organismos
aquáticos, promovem a heterogeneidade espacial
e sazonal com a diversificação do habitat e da
biologia do sistema (MARCONDEZ et al., 2003).
Porém, dependendo das condições ambientais,
determinadas espécies de macrótas são favorecidas
e desenvolvem densas e extensas colonizações, como
é o caso da Egeria densa. Esse fenômeno causa efeitos
nocivos ao ambiente, reduz a disponibilidade de
oxigênio dissolvido na água e a diversidade biológica,
proporciona condições para intensa procriação de
organismos indesejáveis como insetos e moluscos
vetores de doenças, assim como pode interferir na
navegação, no funcionamento e segurança de usinas
hidrelétricas e estações de captação de água, na
prática de esportes náuticos e na pesca esportiva e
prossional (HENARES et al., 2011).
Assim, observando o crescimento desordenado
dessas macrótas em reservatórios de hidrelétricas
e o impacto por elas causado e pela avaliação da
viabilidade técnica do controle por meio químico, o
Conselho Nacional do Meio Ambiente, por meio da
Resolução 467, de 16 de julho de 2015, dispôs sobre
a aplicação de produtos químicos (herbicidas) para
controle do crescimento indesejável de organismos
da ora e fauna, podendo liberar a sua utilização
em caso de aprovação pelo órgão competente
(CONAMA, 2015). Surge assim a preocupação
sobre inuência tanto do produto químico liberado
no corpo de água quanto da massa vegetal em
decomposição que poderá afetar organismos-não
alvo, como os peixes.
Alterações da qualidade da água e a presença
de xenobióticos são fatores que podem atuar
como agentes estressantes nos peixes e, como
resposta do organismo, ocorre diminuição do
consumo de alimento, com consequente redução
da taxa de crescimento, distúrbios reprodutivos e
maior predisposição á enfermidades infecciosas e
parasitárias (NOGA, 2010). Nesse cenário, a criação
de tilápias em tanques-rede, que é realizada em
reservatórios de hidrelétricas, pode ser afetada pelo
uso de herbicidas, podendo causar efeito econômico
negativo, pois esse segmento da cadeia produtiva
se destaca pela produção de proteína alimentar
utilizando reservatórios, principalmente das regiões
Sudeste e Nordeste do Brasil (BRABO et al., 2016).
Não há informações sobre os efeitos crônicos da
exposição do organismo ao herbicida bem como
da decomposição da matéria orgânica resultante
sobre a homeostase dos peixes, principalmente
aquela relacionada a respostas siológicas. Assim,
o presente trabalho teve como objetivo avaliar
os efeitos da exposição crônica do ambiente à
decomposição da macróta Egeria densa morta pelo
herbicida diquat sobre fatores de qualidade de água
e parâmetros siológicos de tilápia-do-nilo.
MATERIAL E MÉTODOS
Foram utilizados 176 exemplares de tilápia
(comprimento total médio de 18,22 ± 2,6 cm e peso
médio de 113 ± 43 g), distribuídos em delineamento
inteiramente casualizado, constituído de quatro
tratamentos com quatro repetições controle negativo:
tilápias criadas sem presença de plantas; controle
positivo: tilápias criadas com presença de macrótas
vivas; tratamento com tilápias criadas com presença
de plantas mortas pelo herbicida diquat (1 mg
L
-1
ingrediente ativo i.a.) (CAS 2764-72-9 produto
comercial Syngenta REGLONE
®
200 g i.a. L
-1
); e
tilápias criadas com presença de plantas mortas por
congelamento. Ressalta-se que o tratamento com
plantas mortas por congelamento foi utilizado para
avaliar somente a inuência da massa de macrótas
em decomposição sem resíduos de herbicida.
As macrófitas (Egeria densa) utilizadas no
experimento foram cultivadas em vasos alocados
dentro de caixas d’água experimentais (capacidade
de 350 L), em densidades iguais (500 g de macróta
por caixa) e distribuídas homogeneamente, de
forma que não ocupassem toda a área das caixas
(GUIMARÃES et al., 2003). Para a realização dos
experimentos utilizando matéria em decomposição,
as plantas foram mortas na própria caixa d’água por
ação do herbicida diquat aplicado na concentração
de 1 mg.L
-1
do ingrediente ativo (MARTINS et
al., 2007), as plantas mortas por congelamento
permaneceram 18 horas em congelador a oito graus
negativos, sendo então inseridas nas parcelas desse
tratamento (GUIMARÃES et al., 2003). Após detecção
da morte das plantas pelo herbicida, as tilápias foram
distribuídas nas 16 caixas (n=11 tilápias por caixa),
com 350 L de água e aeração constante. Para a
alimentação das tilápias foi utilizada ração comercial
com 28% de proteína bruta, na quantidade de 1%
do peso vivo, diariamente distribuída em duas
alimentações.
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA TILÁPIA-DO-NILO E VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS...
633
As variáveis limnológicas da água como
temperatura, pH, oxigênio dissolvido e condutividade
elétrica foram mensurados diariamente com auxílio
de equipamentos multiparâmetros. Semanalmente
foram determinadas as concentrações de nitrogênio
amoniacal total (NAT) pelo método KOROLEFF
(1976), nitrito (MACKERETH et al., 1978), fósforo
total (BOYD e TUCKER, 1992), clorola-a e feotina-a
(NUSCH, 1980), assim como avaliada a alcalinidade
(GOLTERMAN et al., 1978).
Após a exposição crônica durante 21 dias nas
condições experimentais, três peixes (30%) de cada
repetição foram capturados e anestesiados em
solução de benzocaína (0,06 g.L
-1
) para determinação
de comprimento total e peso total e retirada do
sangue para avaliação dos parâmetros siológicos.
Aproximadamente 3,0 mL de sangue periférico
foram colhidos por punção do vaso caudal e, dessa
quantidade, 0,3 mL foi armazenado em tubo plástico
de 2 mL contendo 15 µL de EDTA (1:50), e outra
igual porção (0,3 mL), dispensada em tubo plástico
de 2 mL contendo Glistab
®
. O restante, 0,4 mL, foi
dispensado em tubo de vidro para coagulação por
45 minutos à temperatura ambiente. Após este
período, o sangue coagulado foi centrifugado a 1500
G por cinco minutos, sendo o soro armazenado em
ultrafreezer (-70°C).
A concentração de hemoglobina foi registrada
em grama.dL
-1
, e o número de leucóticos totais e
o de eritrócitos foram estabelecidos com auxílio
de contador automático de células (Celm, modelo
CC510). O hematócrito foi determinado por meio da
centrifugação do sangue contendo anticoagulante em
centrífuga de microhematócrito a 1500 G por cinco
minutos (GOLDENFARB et al., 1971). O cortisol
plasmático foi avaliado por radioimunoensaio (I125),
utilizando o kit comercial TKCO5 (Medlab, Brasil).
Após colheita de sangue, os peixes foram
mortos por aprofundamento do plano anestésico
para retirada do baço e fígado para pesagem e
posterior determinação da relação hepatossomática
(RHS%=peso do fígado/peso corporal x 100) e
esplenossomática (RSS%=peso do baço/peso
corporal x 100). Os resultados obtidos foram
submetidos aos testes de premissa de normalidade
(Shapiro Wilk) e homocedasticidade (Bartlet) e
posteriormente, ao teste F, para análise de variância,
e ao teste de Tukey, para comparação de médias em
nível de 5% de signicância entre os tratamentos.
RESULTADOS
As variáveis limnológicas da água apresentaram
os seguintes resultados: temperatura 25,60 ± 2,87°C;
oxigênio dissolvido 6,96 ± 0,36 mg.L-1; pH 7,20
± 0,78; alcalinidade 67,2 ± 14,6 mg.L
-1
CaCO3 e
condutividade 203,55 ± 12,28 μS.cm
-1
, sem diferenças
significativas (p>0,05) entre os tratamentos. No
entanto, as concentrações de nitrito e nitrogênio
amoniacal total (NAT) apresentaram diferença
signicativa entre os diferentes tratamentos (p<0,05),
sendo que a macrófita decomposta por ação do
herbicida proporcionou o menor e o maior valor,
respectivamente (Tabela 1). Os valores médios de
clorola-a não apresentaram diferenças signicativas
entre tratamentos, mas os de feotina-a foram mais
elevados no tratamento em que se utilizaram plantas
mortas por congelamento (p<0,05) (Tabela 1).
As concentrações médias de fósforo total foram
maiores nos grupos com plantas em decomposição,
com os maiores valores sendo observados nos
tratamentos com as plantas mortas pelo herbicida
(p<0,05). Nos grupos-controle (positivo e negativo),
observou-se que a concentração média de fósforo
total na água foi inferior à observada nos outros
tratamentos. Com relação aos peixes, a média de
peso e de comprimento total, os índices hepato e
esplenossomático (Tabela 2), assim como as variáveis
hematológicas (glicemia, cortisol, leucócitos totais,
eritrócitos e hemoglobina) não diferiram entre os
diferentes tratamentos (p>0,05) (Tabela 3).
Tabela 1 . Coeciente de variação (CV) e média da concentração de nitrito (mg.L
-1
), nitrogênio amoniacal total
(mg.L
-1
), fósforo total (mg.L
-1
), clorola-a (μg.L
-1
) e feotina–a (μg.L
-1
) nos diferentes grupos experimentais.
Tratamento Nitrito
(mg.L
-1
)
Nitrogênio
amoniacal total
(mg.L
-1
)
Fósforo total
(mg.L
-1
)
Clorola-a
(μg.L
-1
)
Feotina-a
(μg.L
-1
)
F para Tratamentos
11,44**
8,00** 2,48** 1,03ns 3,57**
CV (%)
58,46 111,03 102,48 97,50 91,38
continua...
NOMURA et al.
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
634
...continuação Tabela 1
Controle sem plantas
0,96a
0,61b 0,00004b 3,64 6,06b
Controle com plantas
1,04a
0,82b 0,00004b 2,5 3,34b
Plantas mortas pelo
herbicida
0,12b
3,28a 0,0001a 2,16 5,89b
Plantas mortas por
congelamento
1,16a
0,85b 0,07ab 2,61 11,21a
CV: coeciente de variação (%); ns: Não signicativo em nível de 5%; ** Signicativo em nível de 5% (p<0,05).
Tabela 2 . Médias de peso (g), comprimento total (CT - cm) e relações hepatossomática (RHS) e esplenossomática
(RSS) de tilápias-do-nilo nos diferentes tratamentos.
Tratamento Peso (g) CT (cm) RHS RSS
F para Tratamentos
1,96ns
1,84ns 0,27ns 0,04ns
CV (%)
33,94 13,36 37,08 13,66
Controle sem plantas
138,04 19,38 2,69 0,32
Controle com plantas
115,61 18,32 2,79 0,19
Plantas mortas pelo herbicida
106,64 17,55 3,26 0,19
Plantas mortas por congelamento
148,57 19,95 2,34 0,22
CV: coeciente de variação (%);ns: Não signicativo em nível de 5%.
Tabela 3 . Valores médios de glicemia (mg.dL
-1
), cortisol (ng.mL
-1
), número de leucócitos totais (x10
3
.mL
-1
), número
de eritrócitos (x10
6
.mL
-1
) e concentração de hemoglobina (g.dL
-1
), em tilápias-do-nilo nos diferentes tratamentos.
Tratamento Glicemia
(mg.dL
-1
)
CT (cm)
(ng.mL
-1
)
totais
(x10
3
.mL
-1
)
Eritrócitos
(x10
6
.mL
-1
)
Hemoglobina
(g.dL
-1
)
F para Tratamentos
0,23ns 1,52ns 1,48ns 0,81ns 0,27ns
CV (%)
33,04 94,76 44,80 13,88 34,32
Controle sem plantas
51,95 3,64 3990,00 2,29 6,98
Controle com plantas
52,99 3,33 4456,30 2,16 6,56
Plantas mortas pelo herbicida
53,45 2,68 3751,40 2,26 6,93
Plantas mortas por congelamento
50,88 2,25 4677,10 2,37 6,97
CV: coeciente de variação (%); ns: Não signicativo em nível de 5%.
DISCUSSÃO
A utilização de herbicidas para o controle de
macrótas em grandes reservatórios está se tornando
uma opção real permitida, segundo a Resolução
467/2015 (CONAMA, 2015), porém é necessário
compreender os efeitos tanto do herbicida quanto
da matéria em decomposição sobre as variáveis
físicas e químicas da água e sobre os organismos-não
alvo. No presente trabalho, diferenças nos valores
de nitrito e nitrogênio amoniacal foram observadas
entre os diferentes tratamentos. O valor de nitrogênio
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA TILÁPIA-DO-NILO E VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS...
635
amoniacal total no tratamento com plantas mortas
por herbicida (3,2 mg L
-1
em pH 7,20) está próximo
do limite aceitável de 3,7 mg L
-1
(Tabela 1) quando
comparados com o determinado na Resolução 357 de
2005 (CONAMA, 2005). Ainda segundo a Resolução
CONAMA, os valores de nitrito estão acima do
indicado (1 mg. L
-1
) no tratamento-controle somente
com plantas e no tratamento com plantas mortas por
congelamento.
Valores baixos de nitrito e elevados de nitrogênio
amoniacal foram observados apenas no tratamento
com herbicida. O nitrito e o nitrogênio amoniacal
total estão relacionados à reação de nitricação, em
que a amônia sofre oxidação, resultando em nitrato,
sendo o nitrito metabólico intermediário nesse
processo. Assim, uma explicação para tais valores
é que a presença de herbicida poderia interferir no
processo, possivelmente reduzindo a população
de bactérias no gênero Nitrosomonas, responsáveis
por tal transformação (LEVINE e MEADE, 1976;
ENRICH-PRAST, 2006; CYCÓN et al., 2013),
resultando em maior concentração de nitrogênio na
forma de amônia não ionizada (NH
3
) no tratamento
em que a macróta foi morta por herbicida.
Outro parâmetro avaliado que mostrou alterações
decorrentes dos tratamentos foi a feotina-a, que
é resultado da degradação da clorola. A morte
da planta promove acidicação dos tecidos, o que
favorece a feofitinização, processo em que uma
molécula de magnésio da clorola é substituída
por duas moléculas de hidrogênio, que confere
uma cor amarronzada à planta em decomposição,
indicando a formação de grande quantidade de
feotina (HEATON et al., 1996; MARTINS e SILVA,
2002; STREIT et al., 2005). No tratamento em que
a macróta foi morta por herbicida, mesmo com
a rápida ação deste, a degradação da clorola foi
provavelmente mais lenta que aquela das plantas
mortas por congelamento, já que os maiores valores
de feotina-a ocorreram neste tratamento.
Além disso, o processo de decomposição das
plantas também foi avaliado, vericando-se maior
concentração do fósforo total liberado na água
nos tratamentos com plantas mortas tanto por
herbicida quanto por congelamento. O fósforo é
um nutriente que, após o início da decomposição
de macrótas aquáticas, é lixiviado, aumentando as
concentrações na água até o 14
o
dia de decomposição,
com maiores lixiviações ocorrendo no 2
o
dia (SILVA
et al., 2011). Porém, mesmo havendo aumento dos
teores de fósforo total, estes ficaram abaixo do
limite estabelecido em CONAMA 357/2005 (0,025
mg L
-1
). O contrário foi vericado nos tratamentos
com plantas vivas, pois estas, além de absorver
fósforo (POMPÊO e MOSCHINI-CARLOS, 2003),
contribuem com o nutriente por meio de eventuais
decomposições.
No presente estudo, mesmo com as variações
observadas nas concentrações de nitrito e amônia
total, os valores médios são considerados aceitáveis
para o crescimento das tilápias (MERCANTE et al.,
2007), reetindo-se na sobrevivência total e na não
diferença entre as médias de peso e de comprimento
total dos peixes.
A condição de decomposição da macróta Egeria
densa não interferiu no desenvolvimento dos peixes,
como conrmado também pela não diferença entre os
índices hepato e esplenossomático, o que demonstra
não ter havido alterações metabólicas. Uma possível
alteração dos índices poderia indicar algum processo
patológico (TAVARES DIAS et al., 2000), fato não
observado nos peixes deste estudo. Isso corrobora
o registrado por HENARES et al. (2008), ou seja,
ocorrência de alterações morfológicas nesses órgãos
metabólicos somente em concentrações de diquat
acima de 35 mg.L
-1
, valores esses bem mais elevados
que o utilizado para o controle das macrótas.
Apesar das variações observadas nos parâmetros
da água, não foram registradas alterações siológicas
nos peixes, que confirmariam algum estresse
crônico causado pela exposição ao herbicida e à
decomposição de matéria orgânica.
Neste estudo, os valores verificados para
a glicemia, contagem de eritrócitos, cortisol e
hemoglobina foram semelhantes aos encontrados
para tilápia não submetida à ação de agentes
estressores (BARRETO e VOLPATO, 2006; MOREIRA
et al., 2011; SILVA et al., 2012; BOSISIO et al., 2017).
O valor médio de leucócitos totais observado no
presente trabalho foi menor do que o registrado por
GHIRALDELLI et al. (2006) (>30 x 10
3
leucócitos.
μL
-1
), que consideravam o sistema de criação como
estressante, mas semelhante ao encontrado em
tilápia aureus, Oreochromis rendalli (9.670 e 216.360
leucócitos. μL
-1
) (TAVARES-DIAS e MORAES, 2004),
e tilápia-do-nilo (O. niloticus) (1,7 x 103 μL
-1
a 21,2 x
103 μL
-1
) em ambientes de criação considerados não
estressantes (AZEVEDO et al., 2006), demonstrando
assim variações intraespecíficas definidas pelo
ambiente de criação em que se encontram os peixes,
contudo, no presente trabalho, dentro dos padrões
normais, sem estresse para a espécie.
NOMURA et al.
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
636
CONCLUSÕES
A utilização do herbicida diquat no controle
de macrótas Egeria densa provoca alterações nos
parâmetros de qualidade de água dos tanques de
criação de tilápias, porém a presença da macróta
viva ou sua decomposição pelo herbicida ou por
congelamento não alterou a homeostase da tilápia-
do-nilo.
AGRADECIMENTO
Os autores agradecem ao Conselho Nacional de
Desenvolvimento Cientíco e Tecnológico (CNPq)
o apoio financeiro concedido a R.Y. Fujimoto
(305195/2016-6).
REFERÊNCIAS
AZEVEDO, T.D.; MARTINS, M.L.; YAMASHITA,
M.M.; FRANCISCO, C.J. 2006 Hematologia de
Oreochromis niloticus: comparação entre peixes
mantidos em piscicultura consorciada com suínos
e em pesque-pague no vale do rio Tijucas, Santa
Catarina, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, 32(1):
41-49.
BARRETO, R.E.; VOLPATO, G.L. 2006 Ventilatory
frequency of Nile tilapia subjected to different
stressors. Journal of Experimental Animal Science,
43(3): 189-196.
BOSISIO, F.; REZENDE, K.F.O.; BARBIERI, E. 2017
Alterations in the hematological parameters
of juvenile Nile Tilapia (Oreochromis niloticus)
submitted to different salinities. Pan-American
Journal of Aquatic Sciences, 12(2): 146-154.
BOYD, C.E.; TUCKER, C.S. 1992 Water quality and
pond soil analysis for aquaculture. Opelika: Auburn
University. 183p.
BRABO, M.F.; PEREIRA, F.L.S.; SANTANA, J.V.M.;
CAMPELO, D.A.V.; VERAS, G.V. 2016 Cenário
atual da produção de pescado no mundo, no Brasil
e no estado do Pará: ênfase na aquicultura. Acta of
Fisheries and Aquatic Resources, 4(2): 50-58.
CONAMA (CONSELHO NACIONAL DO MEIO
AMBIENTE). 2005 Resolução no. 357, de 17 de
março de 2005. Dispõe sobre a classicação dos
corpos de água e diretrizes ambientais para o
seu enquadramento, bem como estabelece as
condições e padrões de lançamento de euentes,
e outras providências. Diário Ocial da União,
Brasília: 18 de março de 2005, no. 53, p.58-63.
CONAMA (CONSELHO NACIONAL DO MEIO
AMBIENTE). 2015 Resolução n°. 467, de 16
de julho de 2015. Dispõe sobre critérios para a
autorização de uso de produtos ou de agentes
de processos físicos, químicos ou biológicos
para o controle de organismos ou contaminantes
em corpos hídricos superficiais e outras
providências. Diário Ocial da União, Brasília: 17
de julho de 2015, nº 135, seção 1, p. 70 -71.
CYCÓN, M.; WÓJCIK, M.; BORYMSKI, S.;
PIOTROWSKA-SEGET, Z. 2013 Short-term effects
of the herbicide napropamide on the activity
and structure of the soil microbial community
assessed by the multi-approach analysis. Applied
Soil Ecology, 66(1): 8-18.
ENRICH-PRAST, A. 2006 Effect of pesticides on
nitrication in aquatic sediment. Brazilian Journal
of Biology, 66(2a): 405-412.
GHIRALDELLI, L.; MARTINS, M.L.; YAMASHITA,
M.M.; JERÔNIMO, G.T. 2006 Hematologia de
Oreochromis niloticus (Cichlidae) e Cyprinus carpio
(Cyprinidae) mantidos em diferentes condições
de manejo e alimentação no Estado de Santa
Catarina, Brasil. Acta Scientiarum. Biological
Sciences, 28(4): 319-325.
GOLDENFARB, P.B.; BOWYER, F.P.; HALL, E. 1971
Reproducibility in the hematology laboratory: the
microhematocrit determination. American Journal
of Clinical Pathology, 56(1): 35-39.
GOLTERMAN, H.L.; CLYMO, R.S.; OHNSTAD,
M.A.M. 1978 Methods for physical and chemical
analysis of freshwaters. London, IBP: Blackweel
Science Publisher. 214p.
GUIMARÃES, G.L.; FOLONI, L.L.; PITELI,
R.; MARTINS, A.T. 2003 Metodologia para
avaliação de impacto ambiental de macrótas em
mesocosmos. Planta daninha, 21(spe): 37-42.
HEATON, J.W.; LENCKI, R.W.; MARANGONI, A.G.
B. Inst. Pesca, São Paulo, 43(4): 631 - 637, 2017
RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DA TILÁPIA-DO-NILO E VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS...
637
1996 Kinetic model for chlorophyll degradation in
green tissue. Journal of Agricultural Food Chemistry,
44(2): 399-402.
HENARES, M.N.P.; CRUZ, C.; GOMES, G.R.;
PITELLI, R.A.; MACHADO, M.R.F. 2008
Toxicidade aguda e efeitos histopatológicos do
herbicida diquat na brânquia e no fígado da tilápia
nilótica (Oreochromis niloticus). Acta Scientiarum.
Biological Sciences, 30(1): 77-82.
HENARES, M.N.P.; REZENDE, F.R.L.; GOMES, G.R.;
CRUZ, C; PITELLI, R.A. 2011 Ecácia do diquat no
controle e Hydrilla verticillata, Egeria densa e Egeria
najas e toxicidade aguda para o guaru (Phalloceros
caudimaculatus), em condições de laboratório.
Planta Daninha, 29(2): 279-285.
KOROLEFF, F. 1976 Determination of Nutrients. In:
K. GRASSHOF (Ed.), Methods of Seawater Analysis.
Verlag Chemie Wenheim, German. p. 117-181
LEVINE, G.; MEADE, T.L. 1976 The effects of
disease treatment on nitrication in closed system
aquaculture. Journal of World Aquaculture Society,
7(1-4): 483-493.
MACKERETH, F.I.H.; HERON, J.; TALLING,
J.F. 1978 Water analysis: some revised methods
for limnologist. London: Freshwater Biological
Association. 121p.
MARCONDES, D.A.S.; MUSTAFÁ, A.L.; TANAKA,
R.H. 2003 Estudos para manejo integrado de
plantas aquáticas no reservatório de Jupiá. In:
THOMAZ, S.M.; BINI, L.M. Ecologia e Manejo
de macrótas aquáticas. Ed. EDUEM, Maringá. p.
299-318.
MARTINS, R.C.; SILVA, C.L.M. 2002 Modelling
colour and chlorophyll losses of frozen green
beans (Phaseolus vulgaris. L.). International Journal
of Refrigeration, 25(7): 966-974.
MARTINS, D.; TRIGUEIRO, L.R.C.; DOMINGOS,
V.D.; TERRA, M.A.; COSTA, N.V. 2007
Sensibilidade de diferentes acessos de Egeria najas
e Egeria densa aos herbicidas diquat e uridone.
Planta Daninha, 25(2): 351-358.
MERCANTE, C.T.J.; MARTINS, Y.K.; CARMO, C.F.;
OSTI, J.S.; MAINARDES-PINTO, C.S.R.; TUCCI,
A. 2007 Qualidade de água em viveiro de Tilápia
do Nilo (Oreochromis niloticus): caracterização
diurna de variáveis físicas, químicas e biológicas,
São Paulo, Brasil. Bioikos, 21(2): 79-88.
MOREIRA, A.G.L.; TEIXEIRA, E.G.; MOREIRA,
R.L.; FARIAS, W.R.L. 2011 Glicose plasmática em
juvenis de tilápia do nilo anestesiados com óleo de
cravo. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal,
12(3): 794-804.
NOGA, E.J. 2010 Fish Disease: diagnosis and treatment.
St. Louis, Missouri: Mosby-Year Book. 367p.
NUSCH, E.A. 1980 Comparison of different
methods for chlorophyll and phaeopigments
determination. Archives Hydrobiologie, 4(1): 14-36.
POMPÊO, M.L.M.; MOSCHINI-CARLOS, V. 2003
Macrótas aquáticas e perifíton: espectos ecológicos e
metodológicos. São Paulo: RiMa Editora e FAPESP.
134p.
SILVA, R.D.; ROCHA, L.O.; FORTES, B.D.A.; VIEIRA,
D.; FIORAVANTI, M.C.S. 2012 Parâmetros
hematológicos e bioquímicos da tilápia-do-
Nilo (Oreochromis niloticus L.) sob estresse por
exposição ao ar. Pesquisa Veterinária Brasileira,
32(1): 99-107.
SILVA, D.S.S.; CUNHA-SANTINO, M.B.; MARQUES,
E.E. 2011 Decomposição e dinâmica de liberação
de nitrogênio e fósforo de frações vegetais de
Salvinia auriculata Aubl. em um reservatório
da Amazônia legal. Acta Scientiarum. Biological
Sciences, 33(1): 21-29.
STREIT, N.M.; CANTERLE, L.P.; CANTO, M.W.;
HECKTHEUER, L.H.H. 2005 As clorolas. Ciência
Rural, 35(3): 748-755.
TAVARES-DIAS, M.; MORAES, F.R. 2004
Características hematológicas de Tilapia rendalli
Boulenger, 1896 (Osteichthyes: Cichlidae)
cultivada. Bioscience Journal, 19(1): 107-114.
TAVARES-DIAS, M.; MORAES, F.R.; MARTINS, M.L.
2000 Relação Hepatossomática e Esplenossomática
em peixes teleósteos de cultivo intensivo. Revista
Brasileira de Zoologia, 17(1): 273-281.