Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes


Empresas investem em tecnologia de ponta para aumentar a produção de tilápias
Melhoramento genético, automatização de vacina e tanque redondo: conheça as técnicas que impulsionam os resultados do setor.

Brasil tem hoje 110 mil propriedades que trabalham com tilápias e algumas delas estão investindo em tecnologia de ponta para produzirem cada vez mais e melhor.


Em reportagem de agosto deste ano, o Globo Rural chegou a mostrar a força deste setor, que deve crescer acima de 10% neste ano, após ter avançado 12,5% no ano passado.


Uma das empresas que vem focando em inovação fica no município de Santa Fé do Sul, no estado de São Paulo. A companhia tem aplicado novas técnicas dentro das estufas para garantir o bom desenvolvimento dos peixes nas primeiras fases de criação, quando as tilápias ainda são alevinos.

Uma delas é um sistema de bombas que recircula a água o tempo todo, o que reduz a reposição a apenas 5% ao mês.

Além disso, a matéria orgânica passa por um constante processo de transformação, que, tecnicamente, recebe o nome de "biofloco".
O sistema funciona assim: tudo o que sobra dentro da água é consumido pelas bactérias e, com isso, formam-se flocos que, por sua vez, são comidos pelas tilápias, formando-se, assim, um ecosssistema fechado.
Esse processo faz com que a tilápia tenha uma melhor composição muscular e, no futuro, um filé melhor e mais saboroso, explica Renato Morandi, veterinário e gerente de produção.

Vacinação


Em uma outra propriedade, no município de Rubineia, em São Paulo,uma tecnologia promete revolucionar a vacinação contra a streptococus, uma doença do olho esbugalhado que pode matar as tilápias.

O processo utilizado hoje na grande maioria dos criatórios é todo manual, peixe por peixe.


Mas, com o equipamento da propriedade, basta colocar os animais em uma canaleta que a máquina faz todo o serviço. Um sensor chega até mesmo a identificar o momento certo da vacinação.

Com esse sistema, é possível vacinar de 5 mil a 7 mil peixes por hora, triplicando, assim, a produtividade com a mesma mão de obra, explica o piscicultor Emerson Esteves.

Melhoramento genético


O melhoramento genético é outro foco da propriedade de Rubineia, que trabalhou para que o peixe ficasse mais redondo, com um lombo maior e com uma cabeça menor, caraterísticas atrativas para a indústria.


Foi a partir dessa inovação que os ciclos de criação diminuíram, enquanto o rendimento aumentou.


O ciclo durava cerca de 200 dias, ao passo que o rendimento da carcaça ficava por volta de 28%. Hoje, o ciclo tem duração de até 150 dias, com um rendimento de até 37%.

Tanque redondo


Já nas águas do Rio Grande, na divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais, está nascendo uma das mais modernas estruturas para criação de tilápias: o tanque redondo, que é um modelo circular totalmente brasileiro e bem diferente da estrutura quadrada bastante conhecida.


Segundo o engenheiro civil David Pulino, o formato redondo é o que melhor se adapta à condição do rio.

A estrutura permite alcançar uma velocidade suficiente para renovar o oxigênio dissolvido na água, mas não para fazer com que o peixe fique nadando contra a correnteza, o que demandaria mais energia do animal.


Esse projeto começou em 2015, com um grupo de empresários que resolveu tirar a tecnologia do papel, a partir do apoio de pesquisadores do Instituto de Pesca de São Paulo e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Saiba mais na reportagem completa clicando aqui.



Fonte: Globo Rural
07 Novembro 2021

https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2021/11/07/empresas-investem-em-tecnologia-de-ponta-para-aumentar-a-producao-de-tilapias.ghtml


Defeso da piracema: veja o que é proibido e permitido neste período
O período de defeso continental em 2 bacias hidrográficas que abrangem o Estado de São Paulo teve início no dia 1º deste mês