Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes


Pesquisador do Instituto de Pesca é um dos mais relevantes do mundo
Considerado um dos cientistas mais influentes do planeta, Edison Barbieri lidera pesquisa de nanopartículas aplicadas na aquicultura.

O pesquisador do Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Edison Barbieri, é um dos mais influentes cientistas do mundo, de acordo com ranking da Stanford University (EUA) e editora Elsevier BV, em 2021. Graduado em oceanografia biológica e geológica, Barbieri atua no Instituto de Pesca desde 2010 e atualmente exerce o cargo de diretor do Núcleo Regional de Pesquisa do Litoral Sul do Estado de São Paulo. O pesquisador já publicou 161 artigos científicos ao longo da carreira e já foi agraciado em 2015, 2016 e 2017 como melhor profissional do ano no Brasil pela BRASLIDER. Em 2018 também recebeu Cartão de Prata da Câmara de Vereadores de Bragança Paulista, em reconhecimento por sua dedicação à vida científica.

O ranking da Stanford University é considerado um dos mais sérios do meio científico e foi criado a partir de um banco de dados disponível ao público contendo mais de 100 mil cientistas de ponta, que representam os 2% dos mais relevantes do planeta. “Não existe segredo, existe sim determinação, dedicação e muito esforço pessoal”, afirma Barbieri.

Currículo

O pesquisador do IP é graduado em oceanografia biológica e geológica e possui mestrado em geografia física e doutorado em oceanografia biológica pela Universidade de São Paulo (USP). É especialista em ecofisiologia com ênfase em interações entre organismos marinhos e parâmetros ambientais e ecotoxicologia de organismos aquáticos.

Bolsista de produtividade do CNPq desde 2009, é coordenador do Programa de Pós-graduação em Aquicultura e Pesca do IP e professor do programa de Biodiversidade de Ecossistemas Costeiros da UNESP de São Vicente. Também é editor científico da Revista o Mundo da Saúde e da renomada Applied Science (volume especial de poluentes emergentes). Faz parte do Conselho Editorial de mais quatro revistas cientificas e do quadro de revisores ad loc da Elsevier e Spring.

Sua jornada profissional e acadêmica é repleta de experiências e reconhecimentos. Foi editor-chefe da revista científica Boletim do Instituto de Pesca; professor convidado da Universidade da Costa Rica e Universidade de San Carlos de Guatemala, além de professor colaborador do Instituto Sophia, na Itália.

Participou de expedições pela Antártica e sessões do LEAD Internacional, em Cuba e Moscou. Além dessas, participou de várias missões em diversos países patrocinadas pela Agência Internacional de Energia Atômica-ONU.

Nanopartículas aplicadas na aquicultura

Atualmente, Barbieri lidera pesquisa com síntese de nanopartículas para ser aplicada a aquicultura. O trabalho visa avaliar e mitigar os riscos da presença de nanomateriais no meio ambiente. O projeto financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) tem focado nos efeitos do uso de ferramentas nanotecnológicas em organismos produzidos na aquicultura.

De acordo com o pesquisador do IP, a aquicultura é um dos setores que mais crescem no mundo e por esse motivo também tem buscado novas soluções para os processos produtivos por meio do uso de nanopartículas. “Entre as aplicações que estamos estudando estão os sistemas de desinfecção e purificação da água, bem como o tratamento e controle de doenças dos peixes e camarões. Como resultado desse uso mais frequente, o ambiente aquático pode acabar sendo afetado por um grande número dessas nanopartículas. Essas podem ser tóxicas para organismos aquáticos ou potencializar a toxicidade de outros poluentes. O fato é que ainda é desconhecido o risco deste efeito sobre os peixes, camarões e algas bem como para a população humana através da exposição involuntária dos consumidores devido ao consumo de peixe em cuja produção foram utilizadas nanopartículas sintetizadas”, explica.

Neste contexto surgiu a ideia de avaliar os riscos e minimizar a presença de nanopartículas em diferentes tipos de sistemas de produção aquícola. “O principal objetivo é entender o caminho das nanopartículas quando penetram nos organismos, estudar os mecanismos de ação, avaliar os riscos e minimizar a presença em diferentes tipos de sistemas de produção aquícola, ou seja, tentar entender o caminho quando penetram nos organismos”, afirma Barbieri.

Novos investimentos

Em 2021, o Laboratório de Nanotecnologia e Sanidade Aquícola do Instituto, que pertence ao Núcleo Regional de Pesquisa do Litoral Norte, em Cananeia, recebeu investimento de R$ 670 mil do Governo do Estado de São Paulo.

Os recursos fazem parte do montante de R$ 52 milhões investidos no ano passado pela Secretaria de Agricultura e Governo do Estado de SP nos seis Institutos e unidades regionais da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). O investimento é considerado recorde, já que representa o triplo do maior investimento feito até então nessas unidades, em 2009.

Considerado estratégico pela Secretaria de Agricultura e Instituto de Pesca, o Laboratório deve receber novo aporte financeiro neste ano, para compra de equipamentos de ponta


Fonte: O Presente Rural

17 Fevereiro 2022

https://opresenterural.com.br/pesquisador-do-instituto-de-pesca-e-um-dos-mais-relevantes-do-mundo/


São José do Rio Preto (SP) sedia melhor feira de negócios e conhecimento de aquicultura nacional