Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes


Fiesp lança desafio de inovação para o setor do pescado

Com foco em promover a integração entre a pesquisa acadêmica e o setor produtivo, o Departamento do Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp lançarão no dia 08/06 um encontro, o Ideathon Virtual - Desafio de Inovação do Pescado. O evento visa incentivar empreendedores a desenvolverem negócios de forma inovadora, com técnicas de ideação, modelagem de negócios e oficinas de pitch, focados no desenvolvimento de soluções para sete desafios definidos na cadeia produtiva da pesca e da aquicultura.

O desafio abrangerá temas como novos modelos de negócios para comercialização do pescado, rastreabilidade, tecnologias de conservação, armazenamento, entre outros. Para Sérgio Tutui, Diretor do Departamento de Agronegócio da Fiesp e pesquisador do Instituto de pesca (IP-APTA-SAA), a ação pretende consolidar um ambiente estruturado que facilite o setor produtivo e as organizações de pesquisa nas interações, aumentando a penetração do conhecimento científico no dia a dia de todos.

A iniciativa nasceu após o Design Sprint com tema “O Consumo de Pescado no Novo Normal”, realizado com o apoio da Conexão.f, a incubadora de conhecimento da Fundepag*, tendo em vista a definição de temas críticos a serem trabalhados com foco na inovação.

Saiba mais: http://fundepag.br/desafiopescado

 

A falta de conexão entre academia e setor produtivo 

Não apenas um problema do pescado, mas a falta de conexão entre academia e setor produtivo faz o Brasil perder diversas oportunidades de desenvolvimento de novos produtos e processos a partir do conhecimento científico e tecnológico.

A organização mundial que trata das questões relacionadas à propriedade intelectual publica anualmente um relatório com o Índice Global de Inovação. Na versão 2020, ranqueou o Brasil na 62º posição em inovação no mundo. Para calcular esse ranque são utilizadas diversas métricas, como: pesquisas quantitativas e qualitativas; quantidade e intensidade da relação entre pesquisa e indústria; o quanto a indústria demanda ou norteia novas pesquisas científicas e tecnológicas.

Em relação a “Pesquisa e Desenvolvimento”, o Brasil ocupa o 34º lugar e o 74º lugar em “Colaboração Indústria e Universidade”. Segundo Sergio Tutui, existem fatores que impactam negativamente essa relação. “Pesquisadores e empresários falam línguas distintas, enquanto o pesquisador tem uma visão da atuação, formulação e do desenvolvimento de projetos de médio e longo prazos, o empresário foca no médio e curto prazos. Ao passo que o pesquisador está concentrado na precisão do seu trabalho, o empresário está preocupado principalmente com os riscos do negócio”.

“Esses aspectos demonstram um abismo entre a pesquisa científica e as empresas. O trabalho não é apenas desenvolver ações de aproximação de pesquisa e mercado, mas sim de uma estrutura de interface entre as necessidades do negócio e o conhecimento científico, conciliando as diferenças”, completa.

Ambiente legal para inovação no Brasil 

No índice global de inovação, o Brasil ficou com a avaliação inferior na vertente institucional, com destaque para o ambiente regulatório, como: burocracia no relacionamento público/privado, complexidade tributária e legal na abertura, gestão e fechamento de empresas de alto risco, como as startups de base tecnológica.

Nesse quesito, o avanço do Brasil é gradual. Há três anos, o atual marco legal da inovação facilita a relação entre as instituições de pesquisa e a iniciativa privada, dando a essas organizações a possibilidade de atuar na gestão da propriedade intelectual e com escritório de negócios tecnológicos. No congresso, tramita uma proposta de legislação para contribuir na atuação também para as startups.

Para Tutui, o momento pode ser de oportunidade para o Brasil e para o setor de pescado na criação de um ambiente que favoreça e desenvolva a conexão entre os principais elos da inovação. Deste cenário, a Fundepag lançou a Conexão.f*, sua incubadora de conhecimento para atuar neste propósito.

 

Sobre Conexão.f 

A Conexão.f conecta diferentes atores para ampliar competências e transformar necessidades do mercado em soluções inovadoras para o agronegócio e o meio ambiente, gerando valores sustentáveis para a sociedade.

Lançada em 2019, a Conexão.f traz toda a expertise dos mais de 40 anos de história da Fundepag, a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio, que viabiliza projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação no agronegócio e meio ambiente.

 

Informações:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11) 5067-0069

cecomip@pesca.sp.gov.br 


Dispositivo Excluidor de Tartarugas (TED) é tema de filme do Projeto REBYC II-LAC