Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes
O Estado de São Paulo se destaca como pioneiro na produção do peixe Panga

De acordo com o Anuário de Piscicultura da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), em 2018, a produção brasileira de peixes teve um crescimento de 4,5%, sendo o Estado de São Paulo o segundo maior produtor, mantendo-se na mesma colocação em 2019.

A maior produção é de Tilápia (Oreochromis niloticus), consumida em quase todo país e com crescimento permanente; sendo até mesmo exportada para a China, maior produtora da espécie. Em seguida, neste cenário de produção, vem o Tambaqui (Colossoma macropomum), mais cultivado e consumido nas regiões Norte e Centro-Oeste.

Neste contexto, uma nova espécie vem ganhando destaque por seu potencial produtivo, como o rápido crescimento e a forma de respiração, que exige concentração de oxigênio menor que outras espécies, nas águas em que for criado. Trata-se do panga (Pangasius hypophthalmus).

Para atender à demanda crescente por informações sobre o panga, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Centro Avançado de Pesquisa do Pescado Continental (CAPPC), do Instituto de Pesca/APTA, veem trabalhando intensamente nas áreas de Boas Práticas de Manejo, Reprodução e Larvicultura, Nutrição e Limnologia,  visando a consolidar  a pesquisa básica e aplicada, por novas alternativas que visem baixar os custos de produção aquícola, estando diretamente relacionada à sustentabilidade ambiental e, consequentemente, à viabilidade econômica.

O CAPPC informa que alguns experimentos já foram iniciados como, por exemplo, produção de rações com diferentes níveis proteicos, reprodução e larvicultura, transporte em sistema fechado e aberto, tolerância à exposição ao ar, utilização de diferentes anestésicos para manejo, banhos profiláticos para redução do estresse pós-manejo etc.

Os resultados dessas pesquisas poderão fazer do panga uma das principais espécies produzidas e consumidas em 2020, ano que parece ser promissor para o setor da Pesca e Aquicultura.

 

Texto: Antonio Fernando Leonardo - Pesquisador do Centro Avançado de Pesquisa do Pescado Continental 

CECOM - Centro de Comunicação

Instituto de Pesca esclarece importância da parceria entre Universidades e Instituições de Pesquisa